Skip to main content

Deno, a nova runtime para JavaScript e TypeScript. Do mesmo criador do NodeJS!

· 5 min read
Bruno F. F. Carneiro

Deno

Hoje vou falar da nova delícia que está surgindo, o Deno!! console.log("Welcome to Deno 🦕");

Bom, antes de começar, o título pode causar estranheza. Mas ao longo do artigo explico e deixo a minha opnião a respeito.

Deno é a nova runtime segura para Javascript e TypeScript <3

Whatafuck is that?!

Deno é um executável para JavaScript e TypeScript que utiliza o motor V8 e foi construído utilizando a linguagem Rust

OOUuuu seja, um negocinho pra rodar os trem que escrevemos :P

Deno é do mesmo criador do NodeJS Ryan Dahl. O projeto pretende corrigir todas os problemas de design que existem no NodeJS, descrito na famosa talk realizada pelo Ryan. "10 Things I Regret About Node.JS" - Ryan Dahl

Os 10 problemas são basicamente estes aqui:

  • Promises

    • Ele adicionou promises ao NodeJS em Junho de 2009, mas removeu em Fevereiro de 2010;
    • Promises são uma abstração para async/await;
    • É possível que a unificação do uso de promise tenha acelerado a entrada da padronização de async/await.
  • Segurança

    • Programas escritos com NodeJS tem acesso a todas as chamadas do sistema, podem realizar escritas em disco, acessar dados da rede, ler arquivos e tudo isso sem prévia autorização.
  • Sistema de build

    • Se você está escrevendo um módulo linkado à biblioteca C, você usaria GYP para compilar e vincular essa biblioteca escrita em C ao Node;
    • Outras ferramentas utilizavam GYP, agora somente o Node está utilizando GYP;
    • Uma adaptação Python do JSON. Node possui complexos nós desnecessários em torno de si.
  • package.json

    • Incluir NPM no Node torna o NPM um padrão de distribuição;
    • Centralizado, controle privado e repositório para módulos;
    • Incluir informações desnecessárias;
    • Abstração desnecessária do conceito de módulos como um diretório de arquivos. Não existe isso na Web.
  • node_modules

    • O algoritmo da resolução de módulos é altamente complexo;
    • Não é um formato para navegador.
  • Require sem extensão

    • Desnecessariamente implícito;
    • Não é como o browser funciona;
    • O carregamento dos módulos precisa "adivinhar" o que fazer.
  • index.js

    • Sistema de carregamento desnecessariamente complicado;
    • Especialmente desnecessário depois que obrigatoriamente suportado pelo package.json.

Agora vou falar da nova Brastemp Deno.

Principais Features

  • Seguro por padrão. Sem acesso a arquivos, rede ou ambientes por padrão (a não ser que seja explicitamente habilitado). Exemplo:
$ deno run --allow-read=/etc https://deno.land/std/examples/cat.ts /etc/passwd
  • Suporte ao TypeScript por padrão. Isso cria um código mais seguro.
  • Um único executável:
$ deno run --allow-net fetch.ts
  • Possui inspeçor de dependências deno info e formatador de código deno fmt;
  • Possui módulos por padrão (não possui um “npm”). Tudo fica na Deno Land Yuhuuuuuu;
  • Scripts podem ser empacotados(“bundled”) em um arquivo único de JS;
  • Suporte a top level com await (Não é preciso declarar async/await);
  • Compatibilidade do browser (pode acessar o window e não global).

Filosofia

  • O Objetivo do Deno é criar scripts produtivos e seguros para ambientes com programação moderna;

  • Deno vai sempre ser distrubuído utilizando um único executável;

  • Deno recebe a URL dos programas, para que ele possa ser executado. Dessa forma ele não precisa ser executado com “15 megas de arquivos zipados”;

  • Ele usa por padrão browser-compatible protocol para carregar seus módulos: URLs;

  • Além de outras coisas, Deno é um grande substituidor para utilitários de scripts que muita das vezes foram escritos com bash ou python.

Pontos principais

  • Um único executável deno run goPowerRangers.ts;
  • Compatibilidade com o browser, o subconjunto de programas dos quais são completamente escritos em JS e não utilizam o namespace global Deno (ou feature teste para isso), também é possível executá-lo em um browser moderno sem alterações;
  • Providencia por padrão um kit de ferramentas para teste unitário, formatação de código e lint para melhorar a experiência do desenvolvedor.

Não perdeu conceitos utilizados no V8, pode disponibilizar eficientemente um servidor HTTP.

Comparações com NodeJS

UHHH Deno

  • Deno não utiliza NPM (adios node_modules!);

  • Seus módulos fazerem referência a URLs ou paths de arquivos;

  • Todas as ações assíncronas do Deno retornam uma promise. Portando, Deno oferece diferentes APIs do que o Node;

  • Deno exige permissões explícitas para acessar arquivos, network e ambientes;

  • Deno sempre “morre” em erros inexplorados (não tratados).

Deno utiliza ES Modules e não suporta “require”. Pacotes de terceiros são importados via URLs.

Exemplo:

import * as log from "https://deno.land/std/log/mod.ts";

Outros comportamentos chave:

Código remoto é buscado e cacheado na primeira execução, e nunca é atualizado até que o código seja executado com a flag --reload.

Módulos/arquivos carregados de URLs remotas destinam-se a serem imutáveis e armazenados ao cache.

Conclusão

Deno vai matar o NodeJS? Acredito que não, Deno ainda é muuuito novo e Node já é uma ferramenta estável e consolidada pela comunidade e o mercado. Acredito que teremos em breve mais uma opção para quando formos criar uma nova aplicação.

Deno aparenta ser uma ferramenta incrível, trazendo features que fazem total sentido, como o permissionamento e aumento da segurança do código, além de outras.

A comunidade está bastante empolgada com o Deno (eu também! hahaha).

Já devo utilizar Deno em produção? Não aconselho. Apesar de já ter saído a v1.0 Deno é muito novo, está sendo desenvolvido desde 2018 e não há muitos cases. Ao contrário de NodeJS que já tem 1 década e milhões de projetos.

De todo jeito, vamos aguardar os próximos episódios dessa ferrramenta.

Por hoje é isso :P.

Vou escrever mais a respeito e também postar vídeos no meu canal, onde apresento outras tecnologias também, me segue lá: Tautorn Tech.

Referências